Mazda 787b Tributo

Mazda 787b – Tributo

Mazda 787b Tributo fotográfico por Pedro Mota

 

Mazda 787b Tributo fotográfico por Pedro Mota

Este, foi de fato um projeto que me conquistou e se tornou especial a vários níveis, o mais significativo foi ter a possibilidade, de prestar uma homenagem e um agradecimento à Mazda, e a todos os que estiveram envolvidos nesta conquista histórica do automobilismo.
O que mais me apraz em todo o trabalho é poder ajudar a recordar um carro que fez história e cujo o som do motor Wankel perdurará nos ouvidos de quem o ouviu.
O nosso protagonista foi o primeiro carro Japonês na história a conquistar as 24 Horas de Le Mans. E se algo era muito especial no Mazda 787B, era o seu motor Wankel, que consistia em quatro rotores, e atingia cerca de 700 CV às 9.000 RPM e um binário máximo de cerca de 600 Nm às 6.500 RPM. A própria Mazda assegurou que o pico de potência poderia chegar aos 930 CV e atingir um máximo de 10.500 RPM, embora estas especificações nunca tenham sido utilizadas numa corrida para evitar problemas de fiabilidade.

 

E foi durante o ano de 1990, que a Mazda apresentou em Le Mans dois protótipos do Grupo C, o 787 e o seu antecessor, o 767. Nessa época, a sorte não protegia a marca, já que apenas o antigo 767 iria conseguir terminar os testes, evidenciando que a fiabilidade do 787 era um ponto importante a trabalhar.
Na época seguinte, a Mazda apresentou uma evolução do 787, o famoso 787B. Basicamente, recebeu um novo motor, o R26B, que embora quase idêntico ao anterior, tinha sido introduzido um novo sistema de admissão variável e três velas de ignição por rotor em vez de duas. A caixa de velocidades manual anexada ao motor rotativo permaneceu de cinco velocidades e de origem Porsche. O monolugar era feito de carbono e kevlar, e a carroçaria de fibra de carbono do 787B também recebeu uma série de melhorias aerodinâmicas, os radiadores foram deslocados, um único na frente, em vez de dois nas laterais. E devido aos materiais utilizados e à leveza do motor rotativo, o Mazda pesava 830 quilos, quase 100 kg a menos que alguns dos seus concorrentes.
Mazda 787b Tributo fotográfico por Pedro Mota

Mazda 787b Tributo fotográfico por Pedro Mota

A aventura em Le Mans

O 787B não era de todo o carro mais rápido em pista, mas era o mais leve, tinha a melhor gestão de combustível e os engenheiros da Mazda estavam confiantes de que desta vez a fiabilidade dos seus carros estava no ponto. Ohashi, o líder da equipa da Mazda, resolveu comunicar a um dos seus pilotos para desenvolver a corrida como se fosse um teste curto, sem pensar na final, e os escolhido foi o famoso carro nº55. E para surpresa de todos, depois de 362 voltas e quase 5.000 quilómetros percorridos, o carro 55 cruzou a linha da meta em primeiro, com Herbert ao volante. Coroado como o primeiro carro japonês a ganhar as Le Mans e o único com motor rotativo a fazê-lo até hoje.

Passados estes anos todos, ainda é possível sentir a adrenalina que é despertada, ao ouvir o som destes fantásticos motores.

 

Mazda 787b Tributo fotográfico por Pedro Mota

Mazda 787b Tributo fotográfico por Pedro Mota

Mazda 787b Tributo fotográfico por Pedro Mota

Mazda 787b Tributo fotográfico por Pedro Mota

Mazda 787b Tributo fotográfico por Pedro Mota

Mazda 787b Tributo fotográfico por Pedro Mota